Dar e Receber - as trocas que mantêm o vínculo

Para que o amor tenha êxito, precisamos DAR o que SOMOS e RECEBER do parceiro aquilo que necessitamos.

Um é aquilo que o outro necessita e cada qual necessita daquilo que o outro é.

A escolha do parceiro envolve um campo relacional que vai além dos limites individuais de cada um. A escolha é determinada pelo processo sistêmico inconsciente do qual cada individuo se encontra dentro do campo da consciência familiar. Esse campo da consciência familiar determina as buscas de compensação para o equilíbrio do sistema familiar.

A relação de um casal se encontra diretamente ligada à sua família de origem, suas crenças, valores e lealdades invisíveis, identificações e busca de pertencimento. 

Enquanto qualquer dos parceiros ainda se encontra com questões abertas, sejam elas conscientes ou inconscientes, à sua família de origem (pai e mãe), o homem não vai para a mulher e a mulher não vai para o homem 

Inicialmente, na escolha do parceiro, o outro representa o SIM às suas próprias questões . Eu não vejo o outro, eu vejo aquilo que eu quero no outro e do outro. Somente a evolução da relação e a maturidade podem levar à uma escolha do outro. O segundo SIM, eu digo SIM para você como você é. Esse SIM geralmente perpassa pelo SIM a si mesmo.

Em um casal, o vínculo é mantido através do DAR e RECEBER. Qualquer alteração nestas ações (dar e receber) exageros ou falta, o equilíbrio da relação, por uma troca mútua, corre risco. Se, em um casal, um recebe sem dar, o outro logo perde o desejo de dar mais e se, um dá sem receber, o outro logo perde o desejo de receber mais. As parcerias também se rompem quando um dá mais do que o outro pode ou quer retribuir. O equilíbrio nestas trocas mantém o vínculo no positivo e no negativo. No negativo, se um dos parceiros fez algo de ruim o outro deverá escolher fazer algo para si na proporção do dano causado e assim o vínculo poderá se manter. O ofendido não deve tomar para si livrar o ofensor da culpa. Caso queira a reconciliação, o ofendido deverá exigir compensação.

O vínculo entre os parceiros exige que o homem deseje a mulher como mulher( não como mãe/irmã)  e que a mulher deseje o homem como homem (não como pai ou irmão ou amigo). Você pode se perguntar: "com quem você está indo para cama"? Uma parceria de relações mútuas baseadas na igualdade e não na educação sobre o outro ou na crítica externalizada pela auto necessidade de ter a razão.

O primeiro vínculo à um parceiro é o mais forte e sempre deverá ter seu lugar de respeito na história pessoal, os outros demais vínculos subsequentes, terão menos força e tendem a se romper caso os vínculos e parceiros anteriores não sejam adequadamente respeitados

Para que o amor dê certo, o parceiro deve ser respeitado como é, ninguém muda ninguém e quando alguém acredita que : "o meu amor irá muda-lo", deve verificar o quanto se está colocando o parceiro a seu serviço, à sua arrogância.

 

 

Tags: amor entre o casal, Casais, casal, vinculo

voltar para Psicoterapia de Casais

left show tsN fwR fsN|left fwR tsN|left show fwR tsN|bnull||image-wrap|news login c05|fsN fwR normalcase c05 tsN|c05|login news fwR normalcase c05|tsN fwR c05 normalcase|normalcase fwR c05|content-inner||